10 de dez de 2010

O ato de protestar

Mas o que é protestar?


Segundo o dicionário Michaelis: (lat protestari) vtd 1 Afirmar solene e categoricamente; prometer solenemente: Protestou jamais entrar naquela casa. vtd 2 Afirmar o intento de; obrigar-se a; prometer: Protestou iniciar logo a construção. Protestou a todos que se vingaria denunciando-os. vtd 3 Jurar, professar, testemunhar: Protestar amizade. Todos lhe protestam amizade e respeito. vti e vint 4 Reclamar, insurgir-se, levantar-se contra alguma coisa: Não adianta protestar contra o aumento dos impostos. "O moderno assim o exige, embora proteste a ´voz da cabra', sempre a berrar" (Silveira Bueno). vti 5 Fazer valer quando ofendido; pugnar por: Protestar pela dignidade, pelos direitos. vtd 6 Fazer o protesto de (título comercial) por falta de aceite ou de pagamento: Protestar uma letra de câmbio, uma nota promissória, uma duplicata.>>


O homem e a empresa

Certa vez, numa empresa conceituada dentro do mercado, um homem resolveu contestar, em uma das reuniões semanais, o sistema de entregas. Segundo ele, era necessário passar por uma reforma. Com diálogo entre este funcionário, o chefe executivo da empresa (o dono era extremamente ocupado e, extraordinariamente, não compareceu) e todos os outros administradores da empresa. Resolveu-se que algumas coisas dentro do sistema deveriam ser mantidas, mas que algumas sugestões do tal funcionário deveriam ser acatadas. Como o homem que contestou não aceitou a decisão, acabou saindo da empresa, visto que o próprio não suportou que somente algumas mudanças que ele quis colocar fossem aceitas.



Por questões lógicas, o homem que saiu da empresa não poderá mais contestar nada, não poderá mais protestar dentro daquele estabelecimento conhecido.



Percebe-se nesta pequena estória o ato real de protestar. Uma pessoa que não faz parte, seja lá do que for, não poderá fazer mudança nenhuma. Ela pode querer viver essa mudança em si mesmo, ou em algumas pessoas que tenham tristemente acreditado nela. Mas a verdade é que se este homem abrir uma nova empresa, ela não será tão conceituada e pior: se ele não mudar, fazendo diferente do que se fez na empresa anterior, sendo humilde na hora de aceitar as ideias das pessoas; a empresa estará sempre falida, no buraco.


O mais conhecido protestante

Se compararmos a história do homem e a empresa com a de Lutero, percebemos que foi a mesma coisa que aconteceu. Lutero protestou e, como suas contestações não foram aceitas, ele simplesmente desistiu, criando outra denominação.



Nesse momento, Lutero faz o mesmo que o empregado que contesta: ele faz uma ruptura para com a igreja e inventa a sua. Percebe-se claramente que Lutero perde o seu ato de protestar, pois ele saiu da unica igreja que existia naquela época (comparativo aqui com a empresa conceituada) e criou a sua, limitando-se a uma contestação extraigreja (fora da igreja).


O ato de protestar

O verdadeiro ato de protestar consiste em dialogar com as pessoas que fazem parte da empresa, movimento, estabelecimento, seja lá o que for. A Igreja conheceu muitos que protestaram na igreja, mas nem por isso deixaram de ser fieis. São Pedro Julião Eymard é um exemplo de contestação e fidelidade à Igreja (Por várias vezes foi negado a criação da congregação dos sacramentinos). O ato de protestar deixa de existir quando não há fidelidade entre o protestante e o protestado.



Protestar é um ato contínuo de replicar, que deixa de existir quando há separação (pode até existir protesto, mas deixa de ser contínuo e unitivo).



Muitas vezes acontece de, no diálogo, nós descobrirmos que estamos errados e que possa existir um pensamento melhor para ser aproveitado. Protesto de verdade começa dentro de nós mesmos, na hora de recusar a nós mesmos para aceitar o outro, dentro daquilo que é correto na lei natural.


Concluindo

Bom, é isso daí galera!
Caso tenha mais alguma ideia sobre este assunto, ou vocês derem alguma sugestão útil, com certeza editarei o texto e terei o prazer de adicionar.
A sim, caso alguém tenha dúvida: sobre os nossos irmãos separados, muitos não falam na hora de se dirigir a eles como "protestantes", falam sim "evangélicos". Mas se vermos, evangélico é quem vive e professa o evangelho do nosso Senhor Jesus Cristo. Então não faz sentido chamar somente nossos irmãos separados de evangélicos, pois todo católico fiel é um evangélico. Por isso prefiro chamar de denominações. "É um irmãos de outra denominação que não a Igreja Católica Apostólica Romana", assim eu digo.


Fonte 

Um comentário:

  1. Ola, a paz de Jesus e o amor de Maria!

    Bom, do mesmo modo como respondi lá na postagem do blog Fé em atitude, respondo aqui: Pode postar sim!
    E agradeça antes a Deus, se não fosse o Seu Espírito Santo não teria escrito nada...

    E tem uma coisa: gostei do Aviso na hora de entrar no blog!
    ^^

    Um abraço, Deus abençoe em Vosso nome.

    ResponderExcluir

Que a paz do Menininho Jesus esteja em coração! Obrigada pela visita e pelo seu comentário!

Obs: Se você escolher a opção Anônimo, no final não esqueça de colocar o seu nome! Abraço Fraterno!!